Jornal o Evangelho - O cristão bem informado!

Notícias/Mundo

Casal enfrenta críticas por registrar filho com nome de “Lúcifer”

O casal disse que a escolha do nome foi inspirada por uma série da Netflix.

Casal enfrenta críticas por registrar filho com nome de “Lúcifer”
Reprodução Instagram @euacreditonaminhageracao
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Ronni Lily e Brad, um casal de Birmingham, West Midlands, no Reino Unido, decidiram registrar seu segundo filho com o nome de “Lúcifer”, inspirado por uma série da Netflix. Desde então, têm enfrentado intensos ataques nas redes sociais e críticas de familiares.

Ronni explicou ao site What’s The Jam que a escolha do nome foi influenciada pelo fato de Brad ter assistido à série "Lúcifer" enquanto ela estava grávida. Ambos acharam o nome interessante e decidiram usá-lo para o filho, que nasceu em janeiro deste ano. Eles já têm outros três filhos: Lola, de 6 anos, Lincoln, de 3 anos, e Lilac, de 2 anos.

A decisão do casal gerou uma onda de reações negativas, tanto online quanto de familiares. Um parente chegou a chamar a escolha de “abominação” e expressou seu desagrado em relação ao nome. Nas redes sociais, algumas pessoas esperavam que “Lúcifer” fosse apenas um apelido, enquanto outras sugeriram que deveria ser proibido registrar uma criança com esse nome, associando-o ao diabo.

Ronni rebateu as críticas, destacando que o significado original de “Lúcifer” é “portador da luz” ou “Estrela da Manhã”, e criticou a ideia de que o nome poderia negativamente rotular seu filho. Ela também apontou que, embora o nome seja associado ao diabo em algumas culturas, a escolha foi feita de forma não religiosa, e o casal não tem ligação com crenças religiosas.

O nome Lúcifer, apesar de seu significado positivo, é amplamente conhecido como uma referência ao diabo, o que leva a fortes reações em várias partes do mundo. Em alguns países, o nome é até proibido por suas conotações negativas.

Ronni e Brad continuam a defender sua escolha, enfrentando o julgamento público e familiar com a convicção de que o nome de seu filho não deveria determinar seu destino.

FONTE/CRÉDITOS: Jornal O Evangelho com informações Gospel Prime
Comentários:

Veja também